Você está aqui: Página Inicial > Picui > Notícias > 2021 > 11 > Laboratório no campus Picuí dissemina cultura maker

Destaque

Laboratório no campus Picuí dissemina cultura maker

LabMaker já tem parcerias com escolas da região. Reitoria marcou presença na inauguração
por Ana Carolina Abiahy publicado: 26/11/2021 15h16 última modificação: 26/11/2021 15h17

O Campus Picuí do IFPB inaugurou, neste mês de novembro, o seu Laboratório de Inovação, Pesquisa e Extensão em Educação Maker, o LabMaker Picuí. O equipamento pretende ser um disseminador da cultura maker, “do aprenda fazendo”, estimulando parcerias entre o Instituto Federal da Paraíba e outras organizações da região, promovendo uma nova metodologia de ensino, com maior protagonismo estudantil.

A inauguração oficial do LabMaker Picuí marcou uma ação presencial do 4º Simpósio de Pesquisa Inovação e Pós-Graduação do IFPB, o Simpif, na primeira tarde do evento, e contou com a presença de representantes da reitoria da instituição, de parlamentares e da 4º gerência regional de Educação da Paraíba. O evento foi transmitido pela TV IFPB no canal do YouTube.

O coordenador do LabMaker, professor Fernando Costa Fernandes Gomes, diz que a iniciativa começou porque ele e outros colegas sentiam falta de algo que relacionasse mais a cultura maker à área de ensino, sem tanta ligação inicial com prototipagem ou parceria com empresas. Fernando explica que a ideia tomou corpo justamente durante a pandemia ao frequentar o Laboratório de Física e Química, durante aulas não-presenciais. Assim começaram a desenhar um projeto com espaço próprio contando com apoio das diretorias de Administração e de Finanças e de Desenvolvimento de Ensino. LABMAKER PICUI IFPB 1.jpeg

Fernando conta que o envolvimento com a cultura maker já tinha se iniciado há anos, principalmente em parcerias de projetos com o servidor José Torres que era técnico de Laboratório no campus Picuí. Hoje Torres é professor em Santa Luzia, depois de ter passado pelo campus Patos, ao fazer um novo concurso para docente. Ele e Fernando orientaram equipes de estudantes premiadas na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace). “Participar destes eventos foi o girar da chave para a gente a respeito da cultura maker”, frisa Fernando. Ele disse que conseguiram muito material que hoje está no LabMaker a partir dos editais de projetos desenvolvidos com Torres.

O LabMaker tem duas impressoras 3D, arduínos e muitas ferramentas para os alunos colocarem a mão na massa. Mas, Fernando, professor de Física, destaca que um dos maiores patrimônios é a equipe multidisciplinar que conta com a professora Kassandra Mendes Soares, da área de Química, Marcelo Andrade, de Sociologia, o coordenador de Informática, Marcos José do Nascimento Junior, que veio do campus Sousa, e Jales Anderson Monteiro, nomeado recentemente.

Atualmente, há cinco alunas que são monitoras voluntárias. O coordenador Fernando ressalta que um dos pilares do LabMaker é estimular o protagonismo feminino já que faz parte da cultura maker o comprometimento com os objetivos de desenvolvimento do milênio que são relacionados a equidade de gênero e respeito ao meio ambiente, entre outros. A equipe conta ainda com ex-alunos do ensino médio integrado ao técnico em Informática, incluindo dois que fazem hoje o curso técnico subsequente de Eletrônica.

 labmaker ifpb picui 4.jpegEntre as primeiras ações do Laboratório está uma parceria com a coordenação de Informática para oferecer um curso de 20 horas de capacitação em introdução a programação aplicada e robótica educacional. Outras ações são a confecção de dois protótipos para a maratona de empreendedorismo.

As parcerias externas também estão bem encaminhadas. “A ideia do nosso laboratório é trabalhar com professores da rede pública da região. Já temos projetos a desenvolver com escolas dos municípios de Sossego, Barra de Santa Rosa e Frei Martinho. Queremos iniciar uma capacitação com professores do ensino fundamental superior e uma consultoria”, informou Fernando.

O Laboratório que iniciou a partir do Núcleo de Extensão da Rede Rizoma tem projetos com comunidades da região: “Também estamos auxiliando no processo de registro de marcas e indicação geográfica junto a Associação das Mulheres da Quixaba, daqui da região de Picuí. A Delícias da Quixaba que tem geleia e doce de umbu”.

Inauguração na programação do Simpif

IFpb 6 Insuguração do Labmaker Picui.jpg A solenidade de inauguração do LabMaker fez parte da programação oficial do 4º Simpif. O evento contou com a presença do deputado estadual Buba Germano, que é presidente da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia e Inovação da Assembleia Legislativa da Paraíba. O representante da 4º gerência regional de Educação do Estado, Mario Cleverson, também prestigiou.

As boas vindas foram dadas pelo diretor de Desenvolvimento de Ensino do campus Picuí, Jose Hermano Cavalcanti Filho. “É um desejo antigo da nossa comunidade que tem hoje cerca de 1000 estudantes. Esperamos que aproveitem, vocês são os maiores beneficiados com este espaço”, destacou na ocasião.

O representante da Pró-reitoria de Pesquisa Inovação e Pós-Graduação (PRPIPG) na inauguração foi o coordenador de Propriedade Intelectual da Diretoria de Inovação Tecnológica, Valdecir Moreno. “Consideramos um orgulho e percebemos a repercussão nos poderes executivo e parlamentar do município. Criar um espaço maker é se tornar um exemplo para outras escolas. Esta parceria é fundamental para nós da PRPIPG. O espaço maker vai agregar não só professores e técnicos, mas principalmente os alunos e a comunidade. Esperamos que isto se multiplique pelo país”, destacou Valdecir.

Como representante da Reitoria do IFPB, o diretor do Polo de Inovação, Erick Melo, elogiou a parceria com os gestores públicos, agradeceu a presença dos colegas da 4ª gerência regional de Educação e enalteceu a iniciativa dos diretores de Ensino e Administração do campus Picuí. “Este instrumento vai agregar parcerias públicas e privadas. Temos aqui várias possibilidades que vão além das barreiras do campus Picuí. É um espaço learning by doing, ‘aprenda fazendo’. Uma metodologia de ensino muito conceituada em países consolidados”, frisou o professor Erick.

Texto: Ana Carolina Abiahy – jornalista da Reitoria / Fotos: equipe LabMaker

 

registrado em: