Você está aqui: Página Inicial > Campina Grande > Notícias > 2019 > 04 > Estudantes do IFPB Campina participam do Projeto Cineastas 360

Destaque

Estudantes do IFPB Campina participam do Projeto Cineastas 360

A iniciativa é da ONG Recode em parceria com o Facebook que doou os equipamentos para a produção dos documentários
por publicado: 30/04/2019 11h37 última modificação: 30/04/2019 13h25
Exibir carrossel de imagens Aluno manuseia celular doado pelo Facebook

Aluno manuseia celular doado pelo Facebook

Com celulares nas mãos, câmeras 360º e óculos de realidade virtual, um grupo de  estudantes de vários cursos técnicos do Instituto Federal da Paraíba – campus Campina Grande está descobrindo que essas ferramentas tecnológicas podem transformar problemáticas sociais quando pessoas empoderadas da comunidade são reveladas para além dos limites de seu bairro. E como fazer isso? A ONG Recode teve a ideia de produzir documentários em parceria com o Facebook mostrando iniciativas de sucesso por meio do projeto Cineastas 360º.

O projeto Cineastas 360°, que beneficiará dez escolas públicas do país, objetiva capacitar alunos e educadores de escolas públicas a usarem a tecnologia de vídeo 360º para produzir filmes que retratem questões relevantes de suas comunidades. A rede social parceira do projeto é a responsável por doar os equipamentos (headsets, tripés, smartphones, materiais didáticos e câmeras 360º) para a produção dos vídeos .

A coordenadora do projeto no âmbito do campus Campina Grande, a professora Gardênia Lustosa, recebeu treinamento presencial realizado pela ONG. Suas atividades dentro do projeto contam com o apoio de quinze monitores, docentes e também do produtor cultural e ex-aluno de um curso médio integral do campus, Lucas de Faria.  “É um projeto muito gostoso de fazer e bastante interessante, pois empodera digitalmente os jovens para produção de documentários de forte impacto social”, afirma Lustosa.

 As temáticas a serem trabalhadas pelos dez grupos incluem violência sexual, transposição do Rio São Francisco, feminicídio, inclusão social, educação, drogas, entre outros. Cada grupo é acompanhado por um professor que fica responsável pelo acompanhamento pedagógico dos jovens em todo processo de desenvolvimento da produção audiovisual.

O protagonismo do aluno dentro do projeto é latente, posto que  comandam o roteiro, produção e direção dos audiovisuais, tornando-o  um empoderador digital, um dos princípios norteadores do 360°. “Esse projeto abre a mente da gente para vários aspectos sociológicos, além de influenciar até mesmo na nossa vida profissional e abrir portas”, comenta Matheus Lira,  que está produzindo um curta sobre a transposição do Rio São Francisco .

No final do projeto, os dez vídeos passarão por uma comissão julgadora que elegerá apenas um para concorrer com os demais estados. O audiovisual, que trata da temática da inclusão, concorrerá duplamente em âmbito local e nacional. A previsão é que os vencedores sejam conhecidos no mês de junho.

Assessoria de Comunicação do IFPB/Campina Grande

registrado em: